quarta-feira, junho 19, 2013

2a noite da Mostra Recife Exploitation: a fúria de Takuma Tsurugi!

Fato comprovado: Recifense é que nem gato, tem um puta medo de chuva. Foi por causa dela que a 2a. noite da Recife Exploitation não contou com o público da segunda-feira, quando exibimos o SUPER FLY mas quem esteve presente sabe que apreciou uma obra hipnótica para os admiradores do Exploitation e dos filmes de artes marciais. Notei até que o público o levou um pouco a sério demais por um tempo. Só depois que ele começou a se abrir mais com a sua violência cartunesca e o delicioso exagero de muitas de suas cenas inesquecíveis. Compreendi isso como uma espécie de reverência causada por esse filme singular do Shigehiro Ozawa, cuja influência para o gênero e o cinema do Quentin Tarantino é tão esmagadora quanto os murros do casca grossa Takuma Tsurugi.

O personagem, interpretado por um espetacular Sonny Chiba, é um dos mais cruéis anti-heróis da história do cinema. Nem mesmo os vilões do longa se mostram capazes de superar as atrocidades cometidas pelo Tsurugi ao longo dos aproximados 90 minutos de filme. Resta ao espectador torcer por um verdadeiro ogro que fará de tudo para eliminar as pessoas que tiveram a infelicidade de ferrar com a vida dele. Simples assim. E não precisamos de mais nada além disso no roteiro de um bom filme de porrada. ;)

Ao final da sessão, mais aplausos do público presente e a certeza de que teremos uma sessão pra lá de interessante na noite de hoje com O VENTO NEGRO DA TARÂNTULA, representante legítimo do subgênero Giallo. Eu ganhei a noite quando um espectador dos dois primeiros dias chegou para mim e soltou a seguinte pérola: "Cara, eu criei preconceito com filme classe A". Ou seja, mais uma vez... não quero cantar vitória antes do tempo (risos) mas isso só pode ser um belo sinal de que a curadoria está funcionando para as pessoas que não eram familiarizadas com esse modelo de produção cinematográfica.

Sinceramente, não achei que a noite fosse render. Um gato preto passou por mim pouco depois de eu ter saído de casa, peguei um trânsito infernal a caminho do Cinema da Fundação Joaquim Nabuco - pensei que ia me atrasar, mas ainda cheguei a tempo - e também levei um senhor banho de chuva enquanto me dirigia ao local. Cheguei ensopado na Sala João Cardoso Ayres já com parte do público presente. Só me restou encarar tudo isso com muita desenvoltura e bom humor, afinal... deve ter ficado bem claro para eles o quanto essa mostra está sendo importante para mim e o quanto eu amo demais o que eu faço por esses filmes.

 Até mais tarde, pessoal! Continuem a apoiar e divulgar o evento. :)

segunda-feira, junho 17, 2013

Uma excelente 1a. sessão da Recife Exploitation!


Sei que é um tanto cedo para cantar vitória mas não vou negar: a 1a. sessão da "Recife Exploitation", a pequena e simpática mostra que estou realizando até a próxima sexta-feira, 21 de junho, na Sala João Cardoso Ayres (do Cinema da Fundação Joaquim Nabuco) correspondeu as minhas expectativas. Ah, quem sou eu para ser modesto... a sessão de hoje foi nada menos que sensacional. Ao fim de SUPER FLY, o público já estava completamente extasiado pela saga do traficante Priest, vivido por um majestoso Ron O' Neal, embalada pela excelente trilha do genial Curtis Mayfield. O filme foi recebido com um enorme carinho e respeito por parte dos presentes, que não deixaram de se divertir com ele em nenhum momento. Enfim, missão cumprida e a certeza que a noite de amanhã promete com a sessão de THE STREET FIGHTER, o clássico seminal das artes marciais que merecidamente transformou Sonny Chiba em um astro do gênero.

Sem falar que o rápido encontro que tive com tanta gente querida hoje graças ao lançamento do Cemitério Perdido dos Filmes B: Exploitation também não foi careta. Agradeço publicamente aos nobres Kleber Mendonça Filho, Rafael Dantas, Ronilson Araújo e Fernando Mendonça pela aquisição de seus exemplares.

Obrigado de coração a todos os presentes e a todos que não puderam ir, mas estão fazendo questão de divulgar o evento. Até amanhã!

sábado, junho 15, 2013

1o. Recife Exploitation + Lançamento do livro "Cemitério Perdido dos Filmes B: Exploitation"





Quem me conhece sabe que não sou um cara orgulhoso, que gosta de ficar contando vantagem e de se achar o fodão. Mas é impossível não se sentir um pouco assim quando textos de sua autoria fazem parte um projeto belíssimo como o "Cemitério Perdido dos Filmes B: Exploitation", editado pela Editora Estronho, de Belo Horizonte/MG. Foi com prazer que aceitei o convite feito pelo amigo César Almeida no ano passado, que conseguiu juntar um elenco de responsa para escrever sobre nada mais nada menos que 135 longas metragens de fundamental importância para a história do cinema Exploitation. César já tinha lançado o primeiro "Cemitério Perdido dos Filmes B" em 2009 com textos de sua autoria sobre 120 filmes (!!!!) de gênero, debruçando-se principalmente nos anos 60 e 70, as décadas de ouro para esse cinema. E mesmo se o nobre César tivesse me dito que meus textos estavam abaixo de suas expectativas (não foi o caso, yeah!) e que não daria para me ter neste livro, eu ainda continuaria a recomendá-lo pelo excelente trabalho dos outros autores - o próprio César, Ana Júlia Galvan, Carlos Thomaz Albornoz, Cristian Verardi, Ismael Schonhorst, Laura Cánepa, Leandro Caraça, Leopoldo Tauffenbach, Marco A. S. Freitas, Otávio Pereira e Ronald Perrone - e a lindeza que é o resultado final, cuja concepção visual foi muitíssimo bem cuidada por Marcelo Amado.

Dá gosto em ter um livro como esse na sua coleção. Dá gosto em ter um livro tão especial sobre um tipo de cinema que não consegue o merecido espaço na mídia brasileira. Mas tudo indica que as coisas devem mudar após a chegada do nosso "Cemitério Perdido dos Filmes B: Exploitation" nas prateleiras de gente que já admira essas produções e de outras pessoas que estão dando os seus primeiros passos rumo a um aprofundamento no surpreendente universo do Exploitation e todas as suas vertentes. Que venham os próximos volumes! Esse é apenas o segundo!

Vamos continuar falando de coisas boas: eventos de lançamento estão sendo realizados por todo o país graças ao esforço de seus autores e editores. O primeiro deles se deu em Porto Alegre/RS no último 18 de maio durante o Fantaspoa - Festival de Cinema Fantástico de Porto Alegre. Já o segundo se dará aqui em Recife na Sala João Cardoso Ayres com o apoio do Cinema da Fundação Joaquim Nabuco) entre 17 e 21 de junho e o terceiro se estenderá pelo mês inteiro de Julho na Biblioteca de Literatura Fantástica Viriato Corrêa em São Paulo/SP.


A programação especial da 1a. Mostra Recife Exploitation celebrará o lançamento do "Cemitério" com a exibição de seis filmes comentados no livro sempre a partir das 19h. Fiz questão de enfatizar o caráter internacional destas produções: foram escolhidos 2 longas americanos (SUPER FLY e BANQUETE DE SANGUE), 1 mexicano (HASTA EL VIENTO TIENE MIEDO), 1 japonês (THE STREET FIGHTER), 1 italiano (O VENTE NEGRO DA TARÂNTULA e 1 brasileiro (que será o nosso 'Filme Surpresa', vocês não perdem por esperar!!). A entrada é franca (mediante lotação da sala – 50 lugares). Seguem abaixo a programação e comentários de minha pessoa sobre os filmes a serem exibidos:


SEGUNDA-FEIRA - 17 de Junho

19h LANÇAMENTO DO LIVRO "Cemitério Perdido dos Filmes B: Exploitation"

19h30 SUPER FLY (1972)



Um dos mais influentes e admirados títulos do cinema Blacksploitation americano, realizado na esteira do sucesso de SHAFT (1971) de Gordon Parks, pelo filho deste, Gordon Parks Jr., em sua estréia como diretor. Mas enquanto Shaft era um policial, o protagonista de SUPERFLY é um carismático criminoso. Interpretado por um inspiradíssimo Ron O'Neal (ator que ficou eternamente marcado pelo personagem), Priest é um traficante de drogas que sente que a sua boa vida está chegando ao fim. Se Priest continuar no ramo, ele terminará morto ou preso. Portanto ele bola um plano para ganhar muito dinheiro em pouco tempo e se aposentar. O porém é que deixar a vida das ruas não será tão fácil quanto Priest imagina.

DVD, legendado em português, 93 minutos.


TERÇA-FEIRA - 18 de Junho

19h THE STREET FIGHTER (1974)




Poucos personagens são tão cascas grossas quanto Terry Tsurugi. E poucos atores convenceram tanto em um desses papéis quanto Sonny Chiba. Terry é um perigoso mercenário expert em artes marciais que tem o prazer de espancar gente no café da manhã. E por mais que o seu ator mande ver nas caretas, o espectador segurará o riso quando notar que o sujeito não é muito fã de brincadeiras. A trama - que envolve o sequestro da filha de um falecido milionário - não passa de uma desculpa esfarrapada para Tsurugi passar o filme inteiro descendo a mão nos imbecis que tiveram a péssima idéia de ferrar com ele. Um dos longas favoritos de Quentin Tarantino que homenageou o filme e seu intérprete de Terry Tsurugi não uma, mas duas vezes: a primeira em seu roteiro para AMOR À QUEIMA ROUPA de Tony Scott onde vemos o protagonista assistir a esse longa numa cinema de quinta categoria e a segunda quando escalou Chiba para fazer uma honrosa participação especial em KILL BILL. O esmagador sucesso mundial de THE STREET FIGHTER gerou duas continuações e uma série 'spin-off' SISTER STREET FIGHTER que conta com quatro (!!!!) filmes.


DVD, legendado em português, 91 minutos.

QUARTA-FEIRA - 19 de Junho 

19h O VENTE NEGRO DA TARÂNTULA (1971)
 

Essa produção de Marcello Danon não desapontará os fãs de um bom Giallo. O VENTRE NEGRO DA TARÂNTULA tem absolutamente tudo que se pede de um bem sucedido exemplar do subgênero: um sádico assassino que sempre aparece vestido com chapéu, sobretudo e luvas amarelas cuja identidade apenas será revelada no final; MUITA nudez feminina; uma inspirada trilha sonora e uma fotografia que tem a obrigação de ser excelente para contar a história de um protagonista obcecado que se envolverá em um caso que é bem mais complexo do que aparenta ser. Giancarlo Giannini interpreta o inseguro policial que investiga os cruéis assassinatos de um psicopata que utiliza-se da acupuntura para fazer com que suas vítimas - todas mulheres, sem exceção, conforme a cartilha do estilo - continuem vivas no momento em que ele rasga as suas barrigas com uma faca. Destaque para a presença de não uma, nem duas, mas três 'Bond Girls' que embelezarão a já rica experiência visual de se assistir ao longa: Claudine Auger, Barbara Bach e Barbara Bouchet. É essa última que protagoniza a inesquecível sequência de abertura, onde vemos o seu corpo nu sendo massageado ao som de um marcante tema composto pelo genial Ennio Morricone. São menos de 5 minutos que contém mais erotismo do que filmes inteiros dedicados ao gênero.

DVD, legendado em português, 97 minutos.

QUINTA-FEIRA - 20 de Junho

19h HASTA EL VIENTO TIENE MIEDO (1968)


Pérola do horror mexicano que ainda continua um tanto desconhecida no Brasil entre os admiradores do gênero, assim como o seu realizador Carlos Enrique Taboada, HASTA EL VIENTO TIENE MIEDO não investe em bizarrices, 'luchadores' e monstros de borracha, mas sim na construção de uma sombria atmosfera gótica que não fica a dever aos melhores filmes do italiano Mario Bava e as obras primas de Terence Fisher para a Hammer, produtora britânica que revitalizou o cinema de horror nos anos 60. HASTA EL VIENTO TIENE MIEDO tem o seu foco em um grupo de garotas que investigam estranhos acontecimentos ocorridos no colégio interno do qual elas são estudantes. Refilmagens desnecessárias não são exclusividade de Hollywood e esse filme também ganhou uma delas realizada no seu próprio país de origem em 2008, 40 anos depois do lançamento do longa original.

DVD, legendado em português, 88 minutos.

SEXTA-FEIRA - 21 de Junho

19h BANQUETE DE SANGUE + (Filme surpresa)



Existe uma infrutífera disputa entre os admiradores do norte-americano Herschell Gordon Lewis e do nosso José Mojica Marins a respeito de qual dos dois seria o maior pioneiro no uso da violência explícita no cinema. Ambos tem a sua fundamental importância e ambos tem uma proposta que se mostra radicalmente contrária a do outro. Enquanto Mojica utiliza-se dela para causar um desconforto psicológico no espectador, Lewis utiliza-se dela para causar um desconforto gerado pelo excesso e pelo assumido mau gosto. E foi com BANQUETE DE SANGUE que Lewis e o produtor David F. Friedman escreveram seus nomes na história do Exploitation ao criar o primeiro filme 'Gore' da história, repleto de inépcia, imaginação, diálogos hilariantes, péssimas atuações e muita, mas muita cara de pau. Resumindo: um dos filmes mais obrigatórios de toda a mostra.

DVD, legendado em português, 67 minutos.

Nos veremos por lá!

Obrigado, Carlão!


Carlão pode ter partido de nossa existência mas continua vivíssimo no coração e no pensamento daqueles que tiveram o prazer de conhecê-lo através de seus filmes, de seu inesquecível blog - que celebrou e valorizou (sem exageros) o surgimento de uma nova geração de jovens pensadores de cinema - e melhor ainda, pessoalmente.

Só o encontrei em pessoa uma única vez quando ele esteve em Recife para participar do Cine PE de 2005 com BENS CONFISCADOS. Nos falamos muito pouco, mas foi o suficiente para apertar a sua mão, agradecer a esse grande sujeito pelo belo filme que tinha acabado de ver e escutar um entusiasmado "Osvaldo, genial te ver por aqui". Eu, um moleque de 20 anos que tinha inventado de começar a escrever e propagar cinema de gênero e independente já tinha Carlão como um apoiador deste 'hobby' que, aos poucos, tornou-se uma missão de vida. Devo muito a ele o fato de eu continuar atuante até hoje.

Obrigado por tudo, Carlão. Tu és o cara!

sexta-feira, junho 07, 2013

Um impressionante faroeste de Monte Hellman é o destaque do Cineclube Dissenso deste sábado, 08/06

 

Depois da parceria do Cineclube Dissenso com a Mostra Cinema Português Contemporâneo, retomamos nossas atividades regulares, com a exibição de uma peça emblemática da história do cinema independente norte-americano dos anos 1960, "Cavalgada no Vento" (EUA, 1965), do diretor Monte Hellman. A sessão acontecerá amanhã (sábado, 8), a partir das 14h, na Sala João Cardoso Ayres (Fundação Joaquim Nabuco, Derby). A entrada é gratuita.

O longa, também conhecido por aqui como "A Vingança de um Pistoleiro", é notório por ser um dos primeiros trabalhos de destaque do diretor Monte Hellman (Cockfighter, Corrida Sem Fim), que se uniu a um então jovem e desconhecido ator chamado Jack Nicholson para a produção de dois faroestes de baixo orçamento filmados simultaneamente em Utah, Arizona. O outro filme seria o delirante "Disparo para Matar" (EUA, 1966), com roteiro de Carole Eastman e elenco encabeçado por Warren Oates. "Cavalgada..." é estrelado por Nicholson - que também assina o roteiro - e um excelente Cameron Mitchell, ambos interpretando dois caubóis errantes que são perseguidos impiedosamente por um crime que eles não cometeram.

Segue abaixo um texto sobre o longa escrito pela minha pessoa para o especial Monte Hellman do blog O DIA DA FÚRIA: http://diadafuria.wordpress.com/2012/03/23/cavalgada-no-vento-ride-in-the-whirlwind-1965-monte-hellman/