segunda-feira, outubro 27, 2008

Trailer de GRAN TORINO

Pelo visto, Eastwood não quer mesmo mais saber de Oscar. :)

quarta-feira, outubro 22, 2008

RIP

Christopher Wicking
1943 - 2008

Rudy Ray Moore
1937 - 2008

terça-feira, outubro 21, 2008

Mais poliziesco!!

Depois de me recuperar do nocaute que levei do Liam Neeson, aqui estou eu de volta.


Se eu fosse escolher um título para "inaugurar" algum amigo(a) no estilo, seria THE BIG RACKET. Enzo G. Castellari detona outra vez. Fabio Testi interpreta o típico protagonista casca grossa nesse filme que trabalha com maestria elementos de DIRTY HARRY, DESEJO DE MATAR e lá perto do final... de OS DOZE CONDENADOS e MEU ÓDIO SERÁ A SUA HERANÇA. Sentiu o drama? A gente percebe limitações do orçamento como alguns ferimentos à bala não convincentes (saca paintball? hehe), mas isso não diminui em nada a sua brutalidade e a excelência dos tiroteios orquestrados por Castellari. No trailer, há uma pequena parte daquela que deve ser a cena mais impressionante: Fabio Testi se ferrando legal dentro do carro quando este é jogado num precipício com ele dentro! É tão realista que a gente fica até com pena do ator!!

Poliziescos costumam ter ótimos elencos e THE BIG RACKET não é exceção à regra. Aqui temos Vincent Gardenia (do já citado DESEJO DE MATAR e sua continuação) e os três atores que faziam os irmãos de Franco Nero em KEOMA: Joshua Sinclair como o líder almofadinha dos marginais, Tony Marsina como um advogado dos bandidos e Orso Maria Guerrini como um campeão de tiro que terá uma importante participação na trama. Quem curte um filmaço policial, ficará satisfeito com folgas.



Eu gosto muito do MILANO ROVENTE pelo grau de insanidade que Umberto Lenzi atingiu com ele. O filme é um "policial exploitation" repleto de mortes violentas, mulheres nuas levando porrada e Antonio Sabato dando vida a um dos mais imorais personagens do poliziesco. Aqui, Lenzi está bem mais quietinho e mesmo assim, faz um filme tão bom quanto o outro. THE CYNIC, THE RAT AND THE FIST tem o seu foco nos personagens de Maurizio Merli, Tomas Milian e John Saxon. Merli, claro, é o tira invocado, enquanto Milian e Saxon são os dois chefões do crime que entram em guerra, aumentando ainda mais a violência das ruas de Roma.

Lenzi não desaponta e entrega o que a gente quer mesmo ver: tiroteio, porrada e o trio parada dura se esbaldando com um punhado de ótimas cenas e diálogos escritos pelo próprio diretor em parceria com Ernesto Gastaldi e Dardano Sacchetti. Quem acompanhou com atenção alguns títulos dos tempos de ouro do cinema popular italiano verá que Gastaldi e Sacchetti tem uma importância que muitas vezes não é reconhecida. Assim como os diretores para quem trabalharam, eles tiveram os seus maus momentos, mas penso que a boa produção deles carece de um pouco mais atenção entre os fãs do período. No elenco, a sempre curiosa presença de Robert Hundar, outro grande cara que partiu cedo demais em 2008.

PS: Ainda quer ler mais sobre poliziesco? Então visite o FILMES PARA DOIDOS clicando aqui para ler a opinião do 'ragazzo' Felipe M. Guerra sobre uma coisa linda chamada POLIZIOTTI VIOLENTI, também comentada no blog ainda este mês.

segunda-feira, outubro 13, 2008

BUSCA IMPLACÁVEL (Taken, 2008, FR)

VIVE LA FRANCE!


Empolgante, objetivo e sem frescuras. Assim é TAKEN, um dos cada vez mais raros acertos de Luc Besson, também co-autor do roteiro. E que acerto! Depois do belíssimo SERAPHIM FALLS, Liam Neeson foi recrutado para fazer mais outro personagem vingativo, embora diferente. O seu Bryan é um aposentado agente do serviço secreto americano que quer recuperar o tempo perdido com a sua filha burrinha e virgem de 17 anos (Maggie Grace, que tem 25 hehe), depois que a esposa (Famke Janssen), cansada de seus sumiços por conta do trabalho, o trocou por um milionário. Tudo muito bom, tudo muito bacana, até o dia em que a garota inventa de viajar para Paris acompanhada da amiga (também burrinha, mas que não é mais virgem) e as duas são sequestradas por uma quadrilha de albaneses malvados especializada em tráfico humano. Bryan, claro, não vai deixar isso barato.

A direção de Pierre Morel (revelado no bom 13º DISTRITO) e o desempenho de um ator como Neeson, aliado ao ótimo personagem, são o grande trunfo deste filme. Vi que Morel não estava querendo enrolar na passagem para o segundo ato após Bryan dizer para a ex-esposa que irá para a França resgatar a filha deles: a cena que se segue é ele saindo do aeroporto de Paris. Isso mesmo, nada de mostrar o cara arrumando a mala, pensativo dentro do carro, avião subindo, avião descendo... ou seja, nada encheção de linguiça.

Depois de uma rápida investigação no apartamento que as moças estavam, Bryan começa a usar todas as habilidades aprendidas ao longo da sua carreira para pintar miséria com os responsáveis pelo rapto. O que se segue é um verdadeiro festival de truculência, capaz apenas de rivalizar com o visto no último semestre com RAMBO IV. A qualidade da ação é tamanha que, por pouco, a gente se esquece do roteiro esquemático, previsível e cheio de clichês. Bryan tem a diferença de não mostrar piedade em nenhum momento, pois ele não é um civil que teve a sua vida revirada ao avesso pela violência como Paul Kersey e grande maioria dos outros personagens dos filmes de vingança que costumamos assistir, mas um verdadeiro assassino profissional. Ele sabe o que faz e ainda não tem qualquer cerimônia em atirar nos bandidos pelas costas. Coisa linda de se ver nesses tempos atuais tão marcados pelo politicamente correto.

sexta-feira, outubro 10, 2008

Corra longe!


AMALDIÇOADA (Toxic, 2008)
LIGAÇÕES CRIMINOSAS (Last Hour, 2008)

Duas das maiores bombas que vi em toda a minha vida. Se você tem algum amor ao seu bolso, seu cérebro, caramba... aos seus próprios olhos, faça o favor de deixar esses "filmes" colecionando poeira. Não invente de cometer o mesmo erro que o meu de dar uma chance. Eu até pensei em fazer comentários, mas se eu for me lembrar do que eu penso que vi, irei ficar com uma baita dor de cabeça e não mereço mais que as 3 horas de sofrimento que passei. Quem avisa, amigo é!

E depois as distribuidoras reclamam de pirataria. Vão muito pra frente lançado essas coisas no lugar de BUBBA HO-TEP, CALVAIRE, SOFT FOR DIGGING e tantos outros títulos dignos de estarem no lugar delas, isso sem falar de WHITE DOG, CRUISING, SORCERER... pense numa lista.

domingo, outubro 05, 2008

Novidades

- O amigo Luiz Joaquim está suando tanto a camisa no Festival do Rio que se esqueceu de me avisar que estava por lá hehe. Acesse o Cinema Escrito para acompanhar a sua cobertura diária no evento.

- Outro compañero, Renato Rosatti, que vocês devem conhecer pelo seu trabalho no querido site Boca do Inferno e fanzine Juvenatrix, lançou a 62a. edição do Astaroth com 17 páginas de muitas novidades e textos de qualidade para uma boa leitura, além de divulgar aquilo que é bom e que a mídia não dá o merecido valor. Envie um simples e-mail para renatorosatti@yahoo.com.br e pronto, o próprio te enviará o zine gratuitamente em formato PDF.

“Astaroth” número 62 (Setembro de 2008), 17 páginas, capa de Iam Godoy (Strigói). Ilustração de Guilherme Vicente da Silva.
Divulgação de fanzines, revista em quadrinhos e livros. Notícias e dicas. Resenhas de shows de metal extremo (“Sodom”), fotos de shows do “Sadus”, “Enthroned” e “Severe Torture”. Contos de Carlos Relva e Rita Maria Felix da Silva. Resenhas e comentários de filmes: “Encarnação do Demônio” (08), “Star Wars: The Clone Wars” (08), “Fantasma do Espaço” (53), “Mundos Que Se Chocam” (54), “James West” (1965 / 69, série de TV), “A Invasão das Aranhas Gigantes” (75). Texto de Braulio Tavares sobre “Encarnação do Demônio”.

- E já que falei do Boca, eis a matéria com Marcelo Milici e João Pires Neto para o programa Vitrine, da TV Cultura exibida no dia 20/09. Yeah!

sábado, outubro 04, 2008

POLIZIOTTI VIOLENTI (aka Wild Policemen, 1976, ITA)

Tem acontecido uma coisa engraçada comigo. Quando me dá na cabeça de escrever sobre um filme que gostei demais de ter visto faz um mês ou pouco mais que isso e eu o tenho em casa, boto ele para ver umas ceninhas e não tem jeito... "perco tempo" vendo tudo de novo. POLIZIOTTI VIOLENTI foi um deles.

Uma imagem vale mais que 1.000 palavras...
Duas então, nem se fala...

Pouquíssimos filmes podem ser tão estilosos e "pra macho" do que esse. Aqui, temos 1h30min praticamente ininterruptas de Henry Silva e Antonio Sabato com cara de enfezados e trabuco na mão correndo atrás de bandidos, a trilha sonora "funky" de Guido e Maurizio de Angelis de fundo e civis inocentes morrendo a rodo em TODOS os tiroteios e cenas de ação. Numa cena, quando um bandido foge do Henry Silva a carro, disse a mim mesmo: "Esse cara vai atropelar alguém". Dito e feito!

A contagem de corpos em POLIZIOTTI VIOLENTI é elevada, o bom senso é zero. Dou graças por ele não ter sido dirigido por um Sergio Martino, um Umberto Lenzi, mas por um louco como Michele Massimo Tarantini, o culpado pela existência de um crássico como MASSACRE NO VALE DOS DINOSSAUROS. Dizer que uma coisa linda dessas é imperdível é fazer pouco.