terça-feira, novembro 27, 2007

Assista três filmes completos de Afonso Brazza!

Tinha que dividir esta descoberta com vocês. Fuçando no Google Video, achei A MORTE ANDA A CAVALO (Da uomo a uomo, 1967), clássico dos SW com Lee Van Cleef e John Phillip Law. Quando fui ver nos vídeos relacionados... GRINGO NÃO PERDOA, MATA de Afonso Brazza completo! Daí digitei o nome deste saudoso autor do cinema popular brasileiro no mesmíssimo site para achar TORTURA SELVAGEM: A GRADE e NO EIXO DA MORTE também completos!! Essa fez o meu dia.

Aproveitem:

GRINGO NÃO PERDOA, MATA



NO EIXO DA MORTE



TORTURA SELVAGEM - A GRADE

domingo, novembro 25, 2007

PLANO NOVE DO ESPAÇO SIDERAL (Plan 9 From Outer Space, 1959, EUA)


O pior filme de todos os tempos? Sem chance, acho ele bem melhor que ZOMBIE BRIGADE (alguém mais teve o azar de ver essa bomba atômica?), BATMAN & ROBIN, PEARL HARBOUR, DEMOLIDOR e outras porcarias. O mestre Ed Wood podia não ter talento, mas a paixão dele por cinema é algo evidente nesta que deve ser a sua obra-prima. O cineasta considerava PLANO 9... como o seu CIDADÃO KANE. Ele não podia estar mais do que certo.

São tantas coisas que fazem de PLANO 9 DO ESPAÇO SIDERAL um clássico absoluto que prefiro ficar na minha, pois tempo é algo que infelizmente não disponho no momento. Vejo ele como um filme essencial que define de maneira perfeita o significado do termo "Trash" e ainda consegue ser "Cult" ao mesmo tempo. Quem ainda não viu ou deseja rever essa maravilhosa e indispensável aula de cinema (hehe), agora pode ver online e "di grátis" por aqui. Cortesia do Google Video.


Tenham um excelente domingo.





Criswell: "Greetings, my friend. We are all interested in the future, for that is where you and I are going to spend the rest of our lives. And remember my friend, future events such as these will affect you in the future. You are interested in the unknown... the mysterious. The unexplainable. That is why you are here. And now, for the first time, we are bringing to you, the full story of what happened on that fateful day. We are bringing you all the evidence, based only on the secret testimony, of the miserable souls, who survived this terrifying ordeal. The incidents, the places. My friend, we cannot keep this a secret any longer. Let us punish the guilty. Let us reward the innocent. My friend, can your heart stand the shocking facts of grave robbers from outer space?"

Policeman: "Suppose that saucer or whatever it was had something to do with this?"
Inspector: "Your guess is as good as mine Larry. One thing's sure: Inspector Clay's dead, murdered, and somebody's responsible."


Trent: "I'll tell you one thing: if a little green man pops out at me, I'm shooting first and asking questions later."

Eros: "Because all you of Earth are idiots!"


Agradeço ao amigo Ronilson Araújo por ter me dado o DVD de PLANO 9 DO ESPAÇO SIDERAL. Com certeza, um dos melhores presentes de Natal que eu já recebi.

sexta-feira, novembro 23, 2007

Entrevista de Jodorowsky para CartaCapital

Não deu outra, Jodo só botou dentro e com força.

"O MAGO QUE FILMA"

CartaCapital: Seus filmes foram impedidos de circular muito tempo por causa de uma briga com o produtor. Incomoda-o que só agora seu trabalho volte a ser reconhecido?
Alejandro Jodorowsky: Não me dediquei só ao cinema, os caminhos da arte são muitos. Quando se acredita no que se faz, o tempo não conta, nem a morte. Uma paciência infinita passa a habitá-lo. Não me doeu ser ignorado, não me alegra ser reconhecido.

CC: El Topo é tido como um precursor do cinema de baixo orçamento. Diz-se que abriu caminho para nomes como o do cineasta David Lynch. Concorda com isso ou lhe parece soberba?
AJ: Concordo. El Topo inaugurou uma forma de cine independente que se chama midnight movies. Isto está inscrito na história do cinema. Respeite-me, por favor.

CC: É verdade que recomenda estar sob o efeito de alguma droga para assistir a El Topo?
AJ: Eu não me drogo nem recomendo drogar-se. O que aconteceu nos anos 60 é que todos os jovens americanos fumavam maconha. À meia-noite, quando exibiam meu filme no Teatro Elgin, a sala estava submersa em uma nuvem de fumaça de marijuana. Quando estreou A Montanha Sagrada (1973), não havia fumaça, mas não porque não estivssem drogados, e sim porque então consumiam cocaíno e LSD.

CC: Quais foram as suas maiores influências?
AJ: Sou um grande espectador de cinema. Vejo toda noite pelo menos um filme e, tem sido assim durante quase meio século. Admiro não só Federico Fellini, Luis Buñuel e Glauber Rocha, como também muitos outros, ocidentais e orientais. Mas nenhum deles me influenciou. Quis ser diferente de todos e fui.

CC: O senhor ainda usa o método Arica para preparar os atores, com ioga, zen-budismo, tarô, I Ching e drogas alucinógenas? Ou isso faz parte da sua lenda?
AJ: Faz parte da lenda. Houve uma época em que acreditei vencer o ego dos atores. À custa de grandes problemas, me dei conta de que o ego de um ator, além de cheirar mal, é indestrutível. Não há método, por mais sábio que seja, que possa arrancar os atores de seu umbigo.

CC: O senhor diz que seus filmes falam de um inconscientea outro. Como isso é possível?
AJ: É algo que se realiza para lá do intelecto. Não se trata de palavras, mas de sensações inefáveis. Como quer que explique?

CC: Li em um artigo chileno que alguns o consideram um mestre e outros um louco de dar nó... E o senhor, que pensa de si mesmo?AJ: Para que Jodorowsky pensasse algo sobre Jodorowsky teria de dividir-se em dois: o que pensa e o que é pensado. Na verdade, sinto que sou um. Portanto, não sei quem sou.

CC: Como anda seu novo filme, King Shot (previsto para 20090)? Do que se trata?
AJ: Quatro produtores, um canadense, um espanhol, um francês e um sérvio, me pagaram um dólar pela preferência, até setembro, de produzir King Shot. É um spaghetti-gângster metafísico. O cinema vive de projetos que nunca se realizam, mas também existem os milagres.

CC: Do que vive o senhor? Dos quadrinhos, livros, filmes ou das conferências que faz sobre psicomagia e criatividade?
AJ: Não seja indiscreta. Não meta o nariz nos meus bolsos.

CC: Que valor o senhor dá ao dinheiro?
AJ: Muito menos do que a senhora dá a ele.

CC: E a política, lhe interessa?
AJ: Nunca acreditei nas revoluções políticas, sempre nas re-evoluções poéticas.

CC: A psicomagia é a sério ou é uma brincadeira?
AJ: Não banque a jornalista cínica. A senhora sabe muito bem que a psicomagia é uma técnica terapêutica que curou, grátis, uma grande quantidade de pessoas. Está me confundindo com um farsante? Escreveria livros, traduzidos em vários idiomas, só para brincar? Não fique chateada, mas devo dizer-lhe que, a propósito das coisas mais sérias e honradas, as crianças e os ignorantes riem.

CC: Ainda faz cirurgias psicoxamânicas?
AJ: Em muito poucas ocasiões. Agora quem as faz é meu filho, Cristóbal, que acaba de publicar um livro, O Colar do Tigre, narrando essas experiências incríveis.

CC: No documentário feito sobre o quadrinhista Moebius (Moebius Redux), o senhor diz que Stan Lee, criador do Homem-Aranha, é apenas um comerciante, e que os Estados Unidos não o interessam em nada. Nem a geração beatnik?
AJ: Os poetas beatniks foram interessantes por ser os primeiros a sair do armário e proclamar sua homossexualidade. Atualmente, essa poesia está caduca pelo excesso de conteúdo político. Desgraçadamente, a hipócrita economia norte-americana converteu-se no câncer do planeta.

CC: O que o senhor acha que aconteceu com os Estados Unidos dos anos 60 para cá? Pioraram muito, não?
AJ: É um país fundado por bandidos. Nunca mudou. Os ciclones, maremotos tufões, dilúvios, furacões, incêndios, secas e as invasões de insetos e vírus estão se encarregando de castigá-los.

CC: O senhor está bem conservado aos 78 anos, parece mais jovem. Qual é o segredo?
AJ: Confesso que, em fevereiro, vou fazer 79... O segredo é não se aferrar a hábitos, a dependências ou a idéias. Ser um aluno constante, aprendendo sem cessar. E, sobretudo, desenvolver a atenção. É ali, onde centramos a antenção, que nascem o amor e a magia, ou seja, a energia vital.

"De Paris, Jodorowsky falou por e-mail a CartaCapital"

Link: http://www.cartacapital.com.br/edicoes/471/o-mago-que-filma

Agradecimentos a Matheus Cartaxo por ter postado a entrevista na íntegra na comunidade Cinéfilos Doentes no Orkut.

quinta-feira, novembro 22, 2007

Prévias de filmes que prometem

SOB A LAMA DO MANGUE NEGRO



TEETH

O papo de sempre...

- Preciso urgentemente ver OS DONOS DA NOITE. Já de largada, arrisco dizer que trata-se do filme do mês. Não creio que daqui pro final de novembro outro título vá inspirar tanto as discussões e textos lançados pelos cinéfilos brasileiros na Internet. Aham, é isso mesmo que você está lendo, nem OS INDOMÁVEIS deve repetir essa façanha. Recomendo os textos dos comparsas David, Ailton e Ronald para uma boa leitura.

- A nova
ZINGU! já está no ar. Nesta 14ª edição, Matheus Trunk e seus companheiros de batalha saem vitoriosos mais uma vez. O dossiê do mês homenageia o crítico Paulo Perdigão. Sérgio Andrade nos presenteia com mais uma crítica de Biáfora e Marcelo Carrard fala sobre um obscuro filme do grande Joe D'Amato na sua tradicional e coluna CINEMA EXTREMO. Em SUBGÊNEROS OBSCUROS, temos a 1ª parte de um artigo sobre os "Feijoada Westerns", o ciclo do bang-bang brasileiro que poucos já ouviram falar. Anos 60 e 70 não teve só filminho nacional pretensioso não, viu?

- Murilo Lima começou as atividades em seu
STATE OF KUBRICK que (ainda bem...) não fala só de Stanley Kubrick. O blog me conquistou pelo comentário sobre O SILÊNCIO DO LAGO, filme mais do que obrigatório para todos os fãs do cinema de suspense. Leia com carinho e se curtir, coloque nos seus marcadores. Agora só falta o Daniel The Walrus deixar de frescura e abrir logo um blog.

- E isso é tu... tu... tudo, pessoal!

É por essas e outras que Mark L. Lester ainda tem um lugar no meu coração de cinéfilo

Vídeo da "director's cut" de COMANDO PARA MATAR:



Agradecimentos ao André pelo link do vídeo.

domingo, novembro 18, 2007

NOTURNO

Belo curta-metragem paulista de Daniel Salaroli. Nunca uma noite de insônia foi tão bem retratada pelo cinema. Boa noite, meus caros leitores. ;)


A CAIXA (The Box, 2003, EUA)


Não sou mesmo um fã de cinema dos mais "normais". Feriadão é algo muito bacana porque permite que a gente tenha um tempinho a mais para rever alguns filmes que curte. Ao invés de rever um Kubrick, um Roeg ou qualquer outro filme de um monstro sagrado, acabei mesmo foi vendo A CAIXA pela terceira vez. Este "neo-noir" feito para lançamento em vídeo e TV a cabo me agrada bastante. Qualquer filme que não tem receio de ser simples ganha pontos comigo e nisso A CAIXA é exemplar.

James Russo deve ter um de seus melhores desempenhos na pele de Frank Miles, um ladrão que sai da prisão em liberdade condicional que está decidido a cobrar uma antiga dívida do receptor Michael Dickerson (Jon Polito) para com ele. A primeira pessoa que Frank visita é Stan (Brad Dourif) que o tem como seu melhor amigo. Uma verdadeira figuraça, com certeza. Tudo muda quando o protagonista conhece Dora Baker (Theresa Russell), garçonete do pequeno restaurante onde ele toma café todos os dias. Eles saem, se conhecem melhor e nasce um romance entre o casal que só não esperava que o passado fosse tão impiedoso para com ambos. Steve Railsback (uau!) e Michael Rooker fazem os dois homens que farão da vida deles um verdadeiro inferno. Eles e Polito possuem tempo limitado de cena, mas suas participações são marcantes.

Vocês devem ter percebido que o elenco só tem gente boa e essa foi a principal razão para eu arriscar uma conferida. Só pude ficar feliz de ver que o filme era mesmo legal. A direção de Richard Pepin (da extinta PM Entertainment) é tão simples que beira à de um telefilme, mas possui momentos pequenos de pura inspiração, como podemos ver na brutal conclusão. Pepin tem um bom olho no ritmo da narrativa que nunca fica enfadonha e com isso produz a sua pequena obra-prima. Mas o verdadeiro astro do filme é James Russo, que além de protagonista, escreveu o bom roteiro e é co-produtor junto com Pepin. Enfim, a condução é bacana, roteiro, música e fotografia idem e os desempenhos do elenco me agradam muito, com destaque para os três R's: Russo, Railsback e Rooker. Só a Theresa Russell me pareceu fraca em algumas cenas nesta revisão, acho que o Pepin poderia ter tirado mais da capacidade dramática desta ótima atriz.

Outra coisa digna de nota em A CAIXA é ele ser protagonizado única e exclusivamente por pessoas mais maduras. Não aparece um mísero adolescente ou garotos e garotas de seus 15 a 20 anos durante o desenrolar da história. O próprio casal de protagonistas que estão na casa dos seus 50 anos é um achado. E a trama do filme não fica perdendo tempo em surpresas e reviravoltas. Tudo isso e pouco mais fazem deste A CAIXA um filme B de bom. Recomendo ele principalmente para quem curte cinema noir e bons dramas policiais. Tomara que esse textinho motive alguém a procurar por este filme que injustamente está colecionando poeira nas prateleiras das locadoras.

quarta-feira, novembro 14, 2007

Trailers de KILL BULJO





Essa paródia norueguesa de KILL BILL será lançada aqui no Brasil!! Não se sabe a distribuidora, se vai ser lançado nos cinemas ou direto em DVD, mas os direitos de distribuição no país já foram negociados. Por enquanto, os trailers não tem legenda. Só que eles são divertidos demais mesmo assim. ;)

Agradecimentos ao amigo Ronilson Araújo pela dica.

terça-feira, novembro 13, 2007

Trote em Marcelo Milici

Meu amigo, professor e editor do lindo, fantástico e extraordinário Boca do Inferno Marcelo Milici sofreu um trote encomendado pelo seu irmão Luciano neste último 9 de novembro, dia de seu aniversário. Às 6h15mins da manhã, o pobre foi acordado pelo locutor do programa de rádio Cafeína da Metropolitana FM de São Paulo que fingia ser um delegado de polícia e o ameaçava a tirar o Boca do Inferno da Internet! Divirtam-se hauhauah.



Este post nada mais é do que uma pequena, mas sincera homenagem ao Marcelo e ao belíssimo trabalho que ele vem desenvolvendo junto com seus colaboradores fixos e não-fixos durante todos os 6 anos que ele está no ar. Um grande abraço pra ti, Marcelão. :)


Agradecimentos especiais ao Luciano Milici pela grande idéia de sacanear o irmãozinho desta forma tão especial.

segunda-feira, novembro 12, 2007

PLANETA TERROR (Planet Terror, 2007, EUA)


Há pouco mais de 2 anos, lá estava eu na sala de cinema conferindo SIN CITY, filme que é uma verdadeira adaptação de cinema para quadrinhos. E foi por ter curtido tanto SIN CITY que eu fiquei ansioso para conferir o projeto GRINDHOUSE, onde Rodriguez se une ao seu camarada Quentin Tarantino para reviver o clima do cinema "drive-in" dos anos 70 e 80, principalmente o dos 70. Originalmente, GRINDHOUSE foi lançado como uma sessão dupla com PLANETA TERROR e À PROVA DE MORTE acompanhado dos falsos trailers de MACHETE (dir. Robert Rodriguez), DON'T (dir. Edgar Wright), THANKSGIVING (dir. Eli Roth) e WEREWOLF WOMEN OF THE SS (dir. Rob Zombie). Pena que ele foi mal nas bilheterias e decidiram relançar PLANETA TERROR e À PROVA DE MORTE em versões estendidas. Eu estava mais do que disposto a encarar as 3 horas de filme numa boa no final de tarde deste último sábado.

PLANETA TERROR é divertido demais. Novidades zero, mas tudo é levado na maior descontração. A imagem que não é limpa em momento algum, a película com "falhas" gravíssimas na imagem e som e sangreira aos montes rodo fizeram a minha alegria. Isso sem contar com gente como Bruce Willis, Tom Savini, Carlos Gallardo, Michael Parks e o também produtor Quentin Tarantino no elenco. Mas a cereja do bolo é Jeff Fahey e Michael Biehn fazendo irmãos!! Só mesmo um fã de atores B para fazer uma homenagem a eles e aos outros que foram escalados pro filme. E cá entre nós, eu já senti o meu dinheirinho do ingresso todo pago ao apenas ver alguns deles atuando na tela grande. Valeu a pena demais esperar e ainda ver o glorioso trailer de MACHETE (que deve mesmo virar filme) causar tamanha vibração no público da sala em que eu estava.

Rose McGowan está nada menos que linda. A sua dança nos créditos iniciais ao som da excelente música-tema composta pelo próprio diretor, editor, cinematógrafo, produtor e também roteirista Robert Rodriguez é memorável. O ótimo Freddy Rodriguez se alia a Josh Brolin (perfeito!!), Marley Shelton e Naveen Andrews para compor o elenco principal. Esse último, inclusive, faz um cientista mercenário e terrorista que tem como "hobby" colecionar os testículos de quem sacaneia com ele. Just beautiful. ;)

Como nem tudo são flores, PLANETA TERROR comete duas falhas:

1 - Ele é muito mais o cinema despirocado de ação e terror dos anos 80 e 90 do que o dos anos 70. Até a trilha sonora é predominantemente eletrônica com inegável influência do som de John Carpenter na maioria de seus filmes. Amei ver isso como fã deste cinema barato e divertido que tanto me marcou, mas o projeto se dizia ter mais cara de anos 70 do que qualquer coisa, o que não é verdade. Fiquei um pouquinho desapontado.

2 - Os efeitos especiais são bem feitíssimos demais para um suposto filme B. Nem a PM Entertainmente em seus tempos gloriosos fazia explosões como aquelas. Aliás, Jeff Fahey era figurinha fácil nos filmes desta falecida produtora, fato que reforça o meu pequeno parágrafo escrito acima.

Enfim, PLANETA TERROR é um filmeco B de grande orçamento feito de um fã para outro fã. Ele conta com todos os absurdos e situações inusitadas num roteiro dos mais simplórios que deve agradar em cheio aos apreciadores e aos guris que devem vê-lo através da Internet ou depois em DVD por conta da alta censura de 18 anos. Há cenas repulsivas, mas nada que se compare ao sadismo de A PAIXÃO DE CRISTO do Mel Gibson que recebeu uma classificação menor.

Tirando os efeitos absurdamente bem feitos, PLANETA TERROR é cinema B em estado puro que só teve lançamento garantido nos cinemas por causa dos nomes de seu diretor e de Quentin Tarantino. Simples, alucinado e totalmente despretensioso, tudo o que eu mais queria ver naquelas poucas horas. Do jeito que curti, vai ser difícil esperar até o ano que vem pra ver À PROVA DE MORTE na tela grande. Tomara que o projeto GRINDHOUSE dê sinal verde para boas e pequenas produções do gênero também irem para a tela grande ao invés de serem lançadas diretamente em DVD.

sexta-feira, novembro 09, 2007

Teaser de RIGHTEOUS KILL

Com o selo de "qualidade" Millennium Films, um teaser que até um adolescente faria melhor usando o Movie Maker:



Cá entre nós, sou mais Henriksen na novela da Record. Foi mais digno de se ver...

Al Pacino, você não aprendeu com 88 MINUTOS, kct?? Triste que esse filme tem ainda mais gente que eu gosto como Robert De Niro, John Leguizamo, Brian Dennehy, Carla Gugino e Donnie Wahlberg no elenco. RIGHTEOUS KILL tem toda a pinta de ser um novo EDISON. Tomara que dê para dar umas risadas com ele, pelo menos.

quinta-feira, novembro 08, 2007

O POÇO E O PÊNDULO (The Pit and The Pendulum, 1991, EUA)


Produção da Full Moon dos tempos em que ela fazia bons filmes. Só o fato dela contar com alguém como o nosso querido Stuart Gordon no comando de algumas de suas pérolas já era algo notável. Essa segunda adaptação cinematográfica do famoso conto de Edgar Allan Poe pode facilmente ser considerado como um dos melhores títulos da produtora. Ela conta com um roteiro escrito por Dennis Paoli, que escreveu alguns dos filmes mais memoráveis de Gordon, como RE-ANIMATOR, DO ALÉM, O CASTELO MALDITO e DAGON. Mais recentemente, o roteirista colaborou com O GATO PRETO, episódio da 2ª temporada da série MASTERS OF HORROR e do aguardadíssimo HOUSE OF THE RE-ANIMATOR.

O POÇO E O PÊNDULO se passa na Espanha durante a Inquisição e fala sobre um feliz casal de padeiros vivido por Jonathan Fuller (mais lembrado por ser a criatura de O CASTELO MALDITO) e Rona de Ricci. Mas a felicidade deles dura menos de 15 minutos de filme, pois ambos acabam sendo aprisionados pelo cruel e temido inquisidor Torquemada (Lance Henriksen, brilhante) que se apaixona pela moça e por isso pensa ter sido tentado pelo demônio.

Bela história, não é? E o filme é mesmo tão bom quanto pode se imaginar. Gostei de ver o roteirista e o diretor dando atenção a alguns personagens, apesar do tempo limitado de duração. Isso causa um choque a mais quando se trata de pessoas apresentadas na trama para pouco depois serem torturadas e morrerem violentamente. Gordon não nos poupa de imagens realmente desagradáveis. A cena da língua ficará na memória do espectador por um longo tempo. Pelo menos, a bela Rona de Ricci não se importa de ficar completamente nua em muitas cenas.

O elenco também conta com atores do calibre de Frances Bay, Jeffrey "Dr. Herbert West" Combs e Mark Margolis. Todos eles estão ótimos em seus papéis, mas Lance Henriksen rouba todas as cenas que aparece. Ele faz de Torquemada alguém cruel, amargurado e insano ao mesmo tempo. Um belo desempenho. Quem não gostar do filme, pode até recomendá-lo só por causa da atuação de Henriksen.

Pena que o humor negro característico de Gordon esteja totalmente deslocado no filme. Ele seria mais forte e chocante se não tivesse alívios cômicos de qualquer natureza. Jeffrey Combs é o responsável por grande parte deles e posso adiantar a vocês que esse ator está divertidíssimo como de costume. Eu adoro vê-lo em cena, mas sua personagem é um pouco prejudicial a todo o clima de horror construído durante a produção.


Ah, quase que eu ia me esqueçendo. Quem faz uma inesquecível participação especial em O POÇO E O PÊNDULO é Oliver Reed, como um cardeal que adora uma caninha que é enviado pelo Papa para dar uma dura em Torquemada e suas torturas. Quando vemos Reed levantando a voz para Henriksen, já temos a sensação de que o visitante corre o sério risco de não voltar pro Vaticano. O que acontece a seguir é simplesmente sensacional. ;)

Queria eu que metade dos filmes de terror lançados diretos em vídeo atualmente fossem tão bons como este. Só me falta agora ver a versão de Corman que foi realizada em 1961 e tem Vincent Price e Barbara Steele como protagonistas.

Curiosidades:

1 - Quem faria Torquemada numa produção anterior deste filme pretendida por Stuart Gordon era Peter O' Toole.

2 - O filme foi inteiramente filmado no Castello di Giove localizado na Itália que era (ou ainda é, não faço idéia...) propriedade do produtor Charles Band. Quem reparar direitinho nos cenários, vai notar que O CASTELO MALDITO (Castle Freak, 95) também foi produzido lá.

Agradecimentos a Eduardo e Shunna.

terça-feira, novembro 06, 2007

Os bons tempos definitivamente voltaram!

Trailer de VALENTE:



Trailer de SENTENÇA DE MORTE:



Meu amigo Ronilson me disse ontem que Stallone iria dirigir e protagonizar a refilmagem de DESEJO DE MATAR! E não é que ele não estava curtindo com a minha cara? UAU! O cinema norte-americano foi tão pauzudo em tão pouco tempo!!! É lamentável ter que se contentar em assistir VALENTE só no DVD, mas tomara que SENTENÇA DE MORTE e o novo DESEJO DE MATAR tenham chances nos cinemas brasileiros. Novembro vai ser um mês especialíssimo pra mim: verei não só um, mas dois faroestes na tela grande!

Eu não podia estar mais feliz, amigos(as).

sábado, novembro 03, 2007

1º ZOMBIE WALK RECIFE foi um sucesso!

Eu sou o de camisa preta, da banda Ramones, à direita da foto. Pena que eles tiraram ela logo quando eu não estava fazendo careta hehehe. Seguem abaixo uma matéria (que tirando umas frescurinhas, ficaria bem melhor) e um vídeo sobre o evento.

“Zumbis” invadem o Centro do Recife
Publicado em 03.11.2007

“Mortos-vivos” desfilaram pela Conde da Boa Vista, ontem, na primeira manifestação no Estado do movimento Zombie Walk. Evento reúne gente fantasiada para sair às ruas. Teve até zumbi sem-terra.

Schneider Carpeggiani

carpeggiani@gmail.com

É impossível não lançar mão do trocadilho: quem é vivo sempre aparece, mas quem é morto (às vezes) desfila. E os mortos-vivos desfilaram pela Conde da Boa Vista, ontem à tarde, na primeira versão recifense do Zombie Walk em pleno Dia de Finados (nada mais apropriado). A idéia é simples: reunir um monte de gente para sair às ruas fantasiada de zumbi. E qual a razão dessa inusitada caminhada? Estar morto teria alguma função, hummm, social?

“Claro que não, zumbi não tem função. É mais ou menos quando você acorda de manhã, não sabe o que está acontecendo, mas precisa levantar”, “filosofa” Leonardo Lima, um dos organizadores do evento. Cerca de 100 zumbis bateram ponto no evento.

A concentração da Zombie Walk rolou na Praça do Derby, onde os “novos” mortos tiveram como dar um trato no visual e “retocar” o vermelho dos “ferimentos”, num salão de beleza às avessas. A animação do evento era feita pela caixa de som de uma bicicleta(!), a byke som, que tocava de tudo um pouco: variações do metal, Marylin Manson e versões de Madonna. Os zumbis teriam alguma trilha sonora específica? “Eu estou aqui porque eu gosto de rock alternativo. A gente escuta tudo, não tem preconceito. Aqui somos diferentes dos punks de São Paulo, que são violentos. Nossa idéia de alternativo é diversão”, defendeu o “movimento” Rodrigo “Sushi”, 16 anos, estudante, DJ e, segundo o próprio, “também sou emo, pode colocar aí”.

No mundo dos zumbis, vale de tudo. Até manifestação política. Foi o caso de Carlos Henrique, que alegou “106” anos de morte e foi fantasiado de MST, com uma foto do presidente Lula na camisa. “Sou do MST até a morte”, confundiu-se o “manifestante” que, ideologicamente na tarde de ontem, morto já estava.

O designer e jornalista Eduardo Sampaio, 24 anos, é o criador da comunidade Zombie Walk do Recife no Orkut. “A Zombie Walk surgiu no Canadá. Em qualquer dia a gente pode sair de morto pelas ruas”, explicou esse über morto-vivo.

A Zombie Walk seguiu pela Boa Vista, parou carros, ônibus e transeuntes e seguiu até o Marco Zero. O auge foi quando rolou o hino maior dos mortos-vivos, Thriller, de Michael Jackson, que suscitou várias coreografias sobre o asfalto. Só uma reclamação: o povo estava desfilando rápido demais para quem acabara de morrer.

Primeiro vídeo com imagens do evento:

Agradecimentos a Eduardo, Leonardo, Ramona, Funérea, Thiago, Bob, Van e a todas as outras figuras que fizeram parte desta inesquecível caminhada com os zumbis mais sorridentes e alegres que já saíram de suas macabras covas no cemitério! :)

sexta-feira, novembro 02, 2007

Botando o papo com vocês em dia, dando uns avisos e etc.

- Fiquei de falar um pouco aqui a respeito do sábado, dia 20 de outubro, onde participei da mesa de debates do 2º HERÓIS DOS QUADRINHOS PARA AS TELONAS, evento promovido pelo site CineFlash. Simplesmente foi demais. Eu estava lá bem mais na condição de cinéfilo do que fã de quadrinhos, mas acabei aprendendo muita coisa só ao ouvir os companheiros de mesa. Um deles foi o meu amigo Ronilson Araújo que deu show mesmo com a voz enrouquecida por causa de uma gripe das mais chatas. Ele falou com muita categoria sobre a diferença de como os quadrinhos eram vistos pelos estúdios de cinema do final dos anos 70 até os tempos atuais. A descontração caminhou lado a lado com a qualidade na troca de idéias de todos os presentes no debate. Pense como a gente detonou sem dó e nem piedade aquelas continuações de Batman dirigidas por Joel Schumacher. Falamos de elencos, de diretores, de roteiristas (cinema/quadrinhos), de desenhistas, o papo foi mesmo de nível. Um dos pontos altos foi o joguinho onde dois rapazes disputaram um DVD novinho em folha do HOMEM ARANHA 3. Foram constituídos dois grupos a partir da escolha deles entre pessoas do público e o duelo ficou conhecido como TROPA DE ELITE vs. METALEIROS hehehe. As risadas eram constantes. Cliquem aqui para conferir as fotos e os comentários do pessoal sobre uma das tardes mais bacanas que nós tivemos este ano. Agradeço carinhosamente a Rafa, Rony, Léo, Kelmer, Arnaldo e a todos que estiveram no evento.

- Neste sábado, dia 03 de novembro, haverá um outro evento: TARDE DO TERROR. Como o próprio nome está dizendo, vamos fazer um debate sobre o cinema de terror em geral. Ele está sendo realizado numa parceria do Cidadão Kelmer com o site CineFlash e irá ocorrer a partir das 14hrs. na Livraria Saraiva do Shopping

Center Recife. A entrada é franca. Nos vemos por lá. ;)

- Assim que puder, dê uma visitinha no B MOVIE BOX CAR BLUES
para ler a minha segunda colaboração neste blog que se dedica única e exclusivamente ao bom cinema obscuro. Escrevi sobre A ORGIA NOTURNA DOS VAMPIROS de Leon Klimovsky. Dedico o texto pros amigos Shunna e César Almeida por eles serem os responsáveis por aquela sessão dupla tão especial no Dia das Crianças.

- Fiz uma oficina de roteiro com Di Moretti (de CABRA CEGA, LATITUDE ZERO e O VELHO) promovida pelo festival Cenacine, de realização da produtora Página 21 e da Faculdade Maurício de Nassau na semana passada. Foram 4 manhãs muito, mas muito proveitosas mesmo. Teve gente que disse que aprendeu bem mais sobre roteiro do que em oficinas anteriores que duraram cerca de 15 dias. Eu acredito plenamente. Di é uma simpatia de pessoa. Modesto, atencioso, divertido e sério quando tinha que ser, ele estava disposto a transmitir os seus conhecimentos e também a aprender com o pessoal que estava lá para ouvi-lo. Em 2 manhãs, o dinheirinho investido já estava pago.

- Já recebi minhas notas da faculdade. Uma excelente, outras boas e algumas nem tanto. E agora nos encheram novamente de trabalhos e mais trabalhos para este final de semestre. Vai ser fueda!!

- Blog novo na área: BONGA SHIBUM! do ilustre Bruno S. Martino.

- Agora eu vou pro ZOMBIE WALK RECIFE que ninguém é de ferro, beleza? Abraços.